Skip to content

Uma boa idéia

20 de julho de 2011
tags:

Depois de muitas compras na Mac que eu já fiz na vida, “descobri” (já explico as aspas) finalmente o benefício das palettes que cada um pode montar do jeito que bem entender.

Minha primeira palette da Mac, resolvi fazer porque 3 de 4 cores que eu queria estavam com a versão normal esgotada. Ai a moça “por que você não faz uma palette?” e eu: “oh, como não pensei nisso antes?”. A parte do “descobri”, entre aspas, é que eu já sabia que podia fazer isso, mas eu era totalmente alheia ao fato e nunca pensava nisso quando tinha a oportunidade. Enfim, acabou saindo mais barato que comprar as 4 individualmente, cada sombra sai por US$11,00 (a normal sai US$14,50) e o estojo custa 6 dólares.

As minhas escolhidas foram Filament e Patina (em cima) e Retrospeck e Honey Lust (embaixo).

A filament e a Retrospeck são meio que a mesma coisa só que a primeira é prata e a segunda é champagne, ótimas para iluminar e dar brilho. A Patina é bem diferente e muito gata, tem um fundo meio cinza mas com reflexos dourados, e a Honey Lust é cobre com brilhos, um super hit da Mac de acordo com a vendedora.

Que cabelo incrível!!

19 de julho de 2011

Esses dias fui assistir Meia Noite em Paris, e fiquei um pouco obcecada com o cabelo da Rachel McAdams no filme.

Não dá vontade de ir no salão e pedir igual? Curtinho um pouco acima do ombro com um babyliss que é marcado e podrinho ao mesmo tempo.

Aqui dá pra ver melhor a baguncinha positiva que fica atrás.

Alguns prints que eu tirei de um vídeo do youtube (que está no final do post). Queria muito fazer algo assim, e já ensaiei um cabelo curto há uns dois meses, mas não sei se conseguiria lidar com o trabalho que um cabelo curto e milimetricamente bagunçado dá. Porque não é nada simples como parece, essa carinha de “lavei e sai de casa” tem muitas etapas para ficar assim (a não ser que você seja a pessoa mais sortuda do mundo). Fico pensando no meu caso, se eu cortar assim, lavar e sair vou parecer um leão em dias úmidos.

Neutrogena Wave

18 de julho de 2011

Essa febre de limpadores faciais que vibram, giram, dão piruetas etc, me pegou (obviamente, sou muito influenciável com essas coisas). Mas fui numa versão bem mais barata e menos conhecida de todos eles.

A minha escolha foi o Neutrogena Wave, o básico do básico nesse novo mundo dos limpadores (a Nautrogena também tem a versão Wave Duo, com duas velocidades). Meu plano era comprar o da Olay, porque já tinha lido alguns elogios, e tinha um preço bem mais aceitável que o Clarisonic (acho meio arriscado pagar 150 dólares por um aparelho que eu não sei se de fato faz efeito, e se minha dermatologista aprova). Mas quando eu vi o aparelho fiquei com medo, ele não me pareceu nada gentil e acabei desistindo.

O Wave custa uns 12 dólares, um preço beem razoável de se pagar, e ai os pads de limpeza vêm separados e você compra de acordo com a sua necessidade (tem de exfoliação suave, o básico que eles chamam de foaming pads e o para controle de brilho), cada kit de pads vem com 30 unidades e custa mais ou menos 6 dólares. O que eu escolhi foi o foaming, que, como sugere o nome, já vem umedecido com um produto da própria Neutrogena, mas como eu ainda não sei do que se trata lavo bem o pad pra tirar e uso com o meu sabonete facial de todo dia mesmo. Ah, um adendo: o Wave vibra, assim como o Clarisonic, e o da Olay gira, assim como o da Sigma.

Minhas impressões foram bem positivas, ele é bem gentil com a pele e faz uma limpeza power. Costumo usar no banho antes de dormir, pra tirar bem a maquiagem. Lavo o rosto com o shampoo Johnson’s e depois com o Wave + o Cleananse gel da Avène (e as vezes o pad ainda sai sujinho). Também percebi que aqueles cravinhos chatos do nariz diminuíram com o uso e que o rosto fica mais sequinho por mais tempo.

Ainda não fui na dermato depois de ter começado a usá-lo, mas acredito que ela não fará objeções (caso ela faça, conto aqui depois). Pra finalizar, estou bem satisfeita com o meu Wave, ele super me ajuda (gosto mais ainda pelo preço), não me arrependo nem um pouco de ter escolhido ele ao invés dos outros (quem sabe um dia, se eu testá-los né).

Algumas coisinhas para a pele

15 de julho de 2011

Ainda no assunto viagem (que vai longe), coisinhas para a pele: Na fileira de cima da esquerda pra direita: pó Fit Me da Maybelline, é o único que eu não fiz uma amostra porque, sei lá, é um pó normal, bem fininho e segura bem a oleosidade (a minha cor é a mais clara, a 110. Essa linha inclusive é bem fácil de combinar a base/corretivo, as cores respectivas têm o mesmo número e não aqueles nomes confusos), ai primer da Hourglass que ganhei de brinde na Sephora, iluminador The Multiple Copacabana Nars, um amoooor, e o corretivo select-cover up da Mac. Na fileira de baixo: base Dream matte mousse (era para substituir a minha que está acabando, mas comprei a cor errada – vou explicar mais pra frente), base Nature Luxe da Covergirl, uma das preferidas da Pat McGrath (de acordo com a mesma) e base Face Fabric do Armani, porque eu também mereço uma riqueza na penteadeira. Vamos às amostras: Começando pelo mais novo amor da minha vida, Copacabana da Nars, em dois momentos: espalhado e concentrado. Achava que nenhum iluminador substituiria o High Beam da Benefit para mim, mas o Copa superou muito. Fiquei um tempo namorando ele, e na primeira ida à Sephora não comprei porque o preço era um pouco alto (US$39), mas o meu coração falou mais alto e comprei na segunda chance que tive, e ainda bem que comprei porque acredito que ele vale cada centavo, é lindo até não poder mais. Primer da Hourglss, se saiu bem no teste. Eu não gosto muito de primers em geral e nem vejo muita utilidade neles por enquanto (porque veja bem, tenho só 19 anos e uso protetor solar todo santo dia, ou seja, não tenho linhas de expressão pra disfarçar), e sempre acho que deixa a cara ensebada (deu pra perceber que não sou uma entusiasta de primers, né?). Ele é mais fluido que o Magix da Avon e que o Prep+Prime da Mac, achei que rende mais e que inclusive é menos ensebado que os outros que eu tenho. Então assim, pra quem ama primers e não vive sem, acho que é um bom produto a ser testado. Meu engano. Como dá pra ver, a antiga à direita e a nova à esquerda. A cor errada no final foi bem vinda, porque a antiga (010 Ivory) é mais amarelada e a nova (1 light) é mais rosada, e como minha pele é amarelada devo usar tons rosados (a moça da Mac que me explicou isso de forma detalhada, e eu resumi assim). Enfim, o que importa é que foi um erro bem vindo. E ah, desconfio que a cartela de cores dos EUA seja diferente da cartela da Europa porque nos dois casos escolhi o tom mais claro disponível (a Light 1 foi comprada na CVS e a 010 Ivory na Boots). A diferença entre elas na prática é quase nula, a light 1 é a da direita e a 010 Ivory a da esquerda. Nature Luxe à esquerda e Face Fabric à direita. E uma coisa que eu percebi só na hora de fazer as fotos, as cores são MUITO diferentes né? Estou chocada não só pela diferença, mas principalmente porque essa diferença não aparece tanto na pele. Claro que a Face Fabric fica um pouquinho mais amarelada (mas é bem pouco mesmo, não chega a atrapalhar minha vida e a ser considerada um defeito, muito menos fez com que eu me arrependesse da compra), mas é a novela de sempre de quando as bases tem poucos tons disponíveis – a minha é a cor 1, que é amarelada, a cor 2 era mais rosada só que na minha pele ficou super escura, então fui na 1 mesmo. Ela é bem natural e fininha, e a textura é meio diferente (lembra um primer, só que sem a parte do “ensebado”), e tem uma tecnologia que eles chamam de 3D micro-fill, responsável por deixar a base leve e fluida. A Nature Luxe parece um hidratante, e tem um cheirinho muito gostoso, minha cor é a 305 Alabaster, a mais clara de todas. E como foi dito no início do post, é uma das favoritas da Pat McGrath, então podem confiar. Apesar das texturas bem diferentes, as duas são bases leves que deixam aquele efeito de “pele natural de bonita”. Tenho usado a Nature Luxe para o dia a dia e a Face Fabric para sair à noite. Ah, sobre preços, a Nature custa cerca de 11 dólares, e a Face Fabric é be mais carinha e custa 48. E por fim (ufa, que post grande), um comparativo entre dois corretivos queridos: Studio Fix (à esquerda), que é o que eu uso desde sempre, e o Select Cover-Up (à direita), que eu tenho usado muito desde que comprei, ele é bem mais levinho, ideal pra quem não tem olheiras extremas e se incomoda com corretivo que acumula nas dobrinhas.

Oi, Blake

14 de julho de 2011

Que eu não curto muito as maquiagens da Blake Lively não é novidade no blog né? (Explicação rápida para quem chegou agora: não que eu odeie, ache bizarro etc, etc.. é só que não muda, NUNCA) Mas vamos falar de coisa boa, vamos falar desse cabelo super inspiração? Não só pelas madeixas loiras com ondulado perfeito, mas pelos penteados muito belos.

Começando por um basiquinho: rabo de cavalo liso com a raiz bem esticada, mas tem o detalhe do cabelo enrolado escondendo o elástico, que já dá uma graça a mais.

Mais um rabo de cavalo com raiz esticada, mas dessa vez tem leves torcidinhos no comprimento que terminam em um nózinho nas pontas, bem fofo, né?

(sei que estamos falando de cabelo, mas amei Blake com olhos mais escuros) E mais um rabo de cavalo só que dessa vez rolou uma emoçãozinha a mais na raiz.

Trança basicona com mechas caídas na parte da frente, e mais uma vez o truquezinho de esconder o elástico enrolando uma mechinha do cabelo aparece.

Mais uma trança que a Blake usou recentemente, coisa mais linda né? Quando é a próxima festa/casamento pra poder fazer igual?

Cabelón solto com um casquete para dar um up.

Queria muito achar mais fotos desse coque, bem de mocinha elegante.

Acho que esse coque foi usado pela Serena, mas tá valendo. Bem alto e gordo e com a raiz esticada.

E pra terminar, um coque trançado bem gracinha, super magrinho e próximo da cabeça.

Sobre óleos capilares

13 de julho de 2011

Pronto, finalmente um post sobre o Moroccan Oil (e outros produtinhos mais). A demora tem explicação, e é bem simples: eu acho muito difícil julgar essas coisas, porque é aquele papo (clichê, mas real) de que cada cabelo é um cabelo e reage de um jeito a determinado produto.

Vivi dias felizes com o meu Moroc, que está acabando, e não tenho do que reclamar. O que acontece é que eu simplesmente não vi o milagre. Mas Giovanna, como assim? Claro que é um óleo ótimo e que deixa o cabelo bonito, mas nada que os meus queridinhos não façam, e façam quem sabe até melhor – em mim, vamos frisar – (e por bem menos dinheiros). Outro fator é que o Moroccanoil precisa de uma quantidade maior para fazer diferença, a primeira vez que usei coloquei bem pouquinho e fiquei com aquela sensação de “UÉ?”, mas pelo menos, quando vc usa uma quantidade maior ele absorve bem rápido e não deixa o cabelo com aquele aspecto melado.

E já que estamos falando dele, falaremos também da máscara hidratante (a da tampa marrom). Essa sim, sou muito apegada. E meu cabeleireiro vive dizendo que graças à ela meus cabelos se recuperaram de vários traumas, também conhecidos como progressivas e mechas californianas. Deixa o cabelo bem macio e com cara de hidratado, e não aquela coisa disfarçada, que fica bonita só pelas horas seguintes e depois o efeito passa.

E voltando, se o Moroc não faz milagre, então quem faz? Realizei uma pesquisa de campo recentemente, e na minha lista de queridos estão: Super Skinny Serum do Paul Mitchel (que merece um post especial pois de tudo que eu já testei no meu cabelo, foi a marca que mais deu certo), Oleo Relax e Elixir Ultimate, ambos Kérastase. O último, por sinal, tem óleo de argan na composição (o mesmo do Moroccan) e mais 3, que são camélia, responsável por dar brilho, gérmen de milho, que é anti-oxidante, pracaxi, que repara e condiciona.

Gosto de usar o Super Skinny no cabelo úmido antes de fazer escova, e os outros dois para finalizar. Como eles são bem levinhos não tenho problemas em combinar um com o outro, e claro, em pequenas quantidades e sem chegar nem perto da raiz pra não deixar o cabelo oleoso.

Ai ai ai, Chanel

11 de julho de 2011

Obviamente durante a viagem um dos meus objetivos era a coleção Fall 2011 da Chanel, que eu já falei algumas vezes aqui. Então na primeira chance que tive não resisti e comprei tanto a sombra Épatant quanto o esmalte Graphite.

A cor é a mesma para os dois, acho engraçado isso de ter a versão sombra do esmalte e vice-versa, mas foram amores à primeira vista, não tinha como resistir. E a sombra vem com esse pincelzinho que é uma graça.

Sombra com flash. Ela é cremosa mas depois de aplicada vira um pó bem fininho, no estilo do Paint Pot da Mac. E é muuuuito brilhante, além de ter um fundo oliva que eu amo em sombras.

Esmalte sem e com flash respectivamente, apesar dos brilhos ele não fica com textura na unha, fica bem lisinho.

Um adendo: usei como top coat o Bonder da Orly (o meio veio com defeito, que dó, usei com o pincel de outra base), que promete fazer o esmalte durar até duas semanas. Foi uma prova de fogo para ele, porque esmalte da Chanel já não dura muito e nenhum esmalte na minha mão dura mais do que 3 dias, mas o Bonder foi muito bem no teste. Passei no dia 4 e ele durou sem nenhuma lasquinha até o dia 9, e só começou a lascar no domingo (dia 10), ou seja, fez o esmalte da Chanel durar uma semana nas minhas unhas. Acreditem, isso é muito.
Agora quero ver com esmaltes de outras marcas, acredito que a duração será maior ainda. Vou fazer o teste e conto aqui depois.

Muitos brilhos!

8 de julho de 2011
tags:

Acho que finalmente consegui superar meu trauma por não ter conseguido comprar nem uma sombrinha sequer da coleção Sparkle da Bobbi Brown, tentei até pelo site pra mandar entregar na casa de um conhecido, mas não rolou.. Enfim, agora estou muito feliz e satisfeita com minhas novas sombras brilhantes.

Na fileira de cima: as duas da Sephora são Starry Sky n°07, preta com brilhos, e Meet me at midnight n°86, roxa quase preta com brilhos. Os potinhos são sombras em pó da Victoria’s Secret, cores: Silverdust e Satrdust, o primeiro é um brilho champagne (apesar do nome Silver) e o segundo um brilho rosado. E na fileira de baixo as sombras Stardust da Urban Decay, cores Void, preta com brilhos, e Diamond Dog, marrom com brilhos. E por último, a sombra 24K da Victoria’s Scret, dourada brilhante.

As da Sephora são as menos brilhosas de todas, têm um brilho mais discreto. Os potinhos da VS são na verdade puro brilho, sem quase nada de cor no fundo, a Stardust (a segunda) é a que menos aparece na minha pele porque o tom é parecido. As da Urban Decay são as mais brilhantes e mais fininhas, porém tem que passar mais camadas pras cores ficarem fortes (ou usar molhada), e eu prefiro passar com o dedo do que com pincel, porque ai os brilhos não se dissipam. E a da VS, li muita gente falando mal da pigmentação, que quase não tinha cor, mas não achei isso da 24k, claro que ela não fica essa coisa super dourada, mas nenhuma sombra é 100% fiel ao que está no potinho, mas fica dourada o suficiente.

Amostrinhas: As da Victoria’s Secret são as 3 de cima na parte direita, Stardust, que quase nem aparece, Silverdust, a champagne, e 24k, a dourada, à esquerda as duas da Sephora, Meet me at midnight em cima e Starry Sky embaixo, e por último as da Urban Decay, Diamond Dog, a marrom (a foto não captou o brilho dela, ela brilha MUITO), e a Void, preta super brilhante.

Comparativo entre a Starry Sky da Sephora e a Void da UD.

Sephora à esquerda, (Diamond Dog fazendo figuração ai no meio) e Void à direita. Dá pra ver que brilha bastante né??

Chanel sempre incrível

7 de julho de 2011
tags:

Assunto off-viagem por um momento para falar sobre uma coisa que eu sempre amo, desfiles da Chanel e suas maquiagens.

Os produtinhos usados foram: base Vitalumière Aqua Foundation, sombra Illusion d’Ombré cor Mirifique (comprei a minha Epatant e estou apaixonada, em breve tem post), batom Rouge Allure Velvet La Furtive, que já foi pra minha lista de desejos, amei o tom de pêssego, e nada de novidade nas unhas, o esmalte usado foi o Blue Satin.

Coque lindinho e com muita textura.

E a renda nos olhos? Amei!

Uma Naked pra chamar de minha

6 de julho de 2011

Como já disse (e ainda vou dizer mais algumas vezes) eu tinha alguns objetivos específicos na viagem, e entre eles, obviamente, a palette mais comentada de todos os tempos (e de acordo com o vendedor, a mais vendida na América): a Naked da Urban Decay. Foi uma novela atrás dela, na Sephora nem sinal, e as vendedoras disseram que não podiam prometer nada, pois chegava e acabava em seguida.. Fui comprando as outras coisas, e eis que no último dia, em um momento já sem esperança, passei na Macy’s pra comprar um batom encomenda e avistei um corner da Urban Decay numa tal de “Impulse” (falarei dela mais pra frente), fui olhar sem grandes expectativas e lá estava minha querida palette olhando pra mim. Ahaha, histórinha com final feliz. Mas agora vamos à palette.

Emoçãao! A Naked, além das 12 sombras, vem com um pincel e um mini Primer Potion. O pincel não me adaptei muito bem a ele porque as cerdas são sintéticas, pretendo testá-lo como pincel de corretivo e o mini primer é ótimo pra levar no necessáire.

Em cima (da direita pra esquerda): Virgin, Sin, Naked
Embaixo (da direita pra esquerda): Sidecar, Buck e Half Baked

(a Hustle ficou totalmente marrom nessa foto, mas ela puxa pro ameixa)

Em cima (da direita pra esquerda): Smog, Darkhorse, Toasted
Embaixo (da direita pra esquerda): Hustle, Creep, Gunmetal

Acho que a maior qualidade da palette é que todas as cores são básicas, totalmente usáveis e lindas. Ainda não usei oficialmente (só pra fazer os testes em casa), mas já tenho as minhas preferidas, que são a Sidecar, uma nude beem cintilante, a Darkhorse, marrom nada básico, a Hustle, marrom com fundo ameixa cintilante e a Creep, que é meio cor de fumaça com leves brilhinhos.

Mini Primer Potion x antiga embalagem do Primer Potion normal.

Sobre o preço, 48 dólares, pode parecer que é uma palette cara, mas se você levar em conta tudo que vem (12 sombras lindas + pincel + mini primer potion), o preço é bem razoável.

Ah, já tava esquecendo de comentar sobre a Impulse, eu não entendi direito do que se trata (uau, Giovanna, como vc é útil) mas me pareceu uma mini loja de departamento dentro de outra (a Macy’s no caso). Tem Benefit, Urban Decay, Bare Escentuals, Cargo, Stila e algumas outras, tipo uma Sephora wannabe (tem até listras pretas e brancas) só que em tamanho reduzido. Nem fucei muito, meu foco lá foi mesmo a minha Naked.

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 27 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: